Contrariando a massa, IZA trilha carreira com músicas cada vez mais necessárias
17/03/19

Desde o começo da carreira IZA sempre mostrou que não estava aqui para ser só mais uma. O lançamento do seu álbum veio para trazer algo que o cenário pop não estava habituado a ouvir. Desde os primeiros singles (Pesadão e Ginga), IZA se atreve em lançar músicas com sonoridades diferentes e sempre trazendo uma letra que não se deixa passar despercebida.

Pesadão com uma vibe Reaggae/Pop que o público brasileiro não estava acostumado a ouvir, acompanhado de uma mensagem pautada em comunicar um discurso de força e de que juntos somos mais fortes. E Ginga, que traz uma sonoridade ainda mais fora do convencional no contexto pop, com um berimbau que ecoa na ponte entre os versos do incrível Rincon Sapiência, tudo isso sem nem entrar no mérito visual que o clipe também traz e que nos leva para um outro universo enquanto assistimos.

Acontece que, além de cantar sobre força e união, IZA também não abre mão de reconhecer as urgências do seu tempo. A situação política do Brasil parece ser algo do qual IZA não pretende ignorar, isso se mostra claro no lançamento da regravação de Divino Maravilhoso que IZA gravou com, nada mais, nada menos, que Caetano Veloso.

A música originalmente lançada em 1968 diz muito sobre a época e também sobre os dias atuais. Composta pelo próprio Caetano e pelo Gilberto Gil, a música traz uma mensagem sobre estar atento ao perigo, sobre encarar as dificuldades e ser forte. Muitos anos se passaram até então e aparentemente nada mudou, não é mesmo?

Em 68 a ditadura estava no seu auge, a represália acontecia intensa e a música alertava sobre estar atento pois cada expressão mal interpretada poderia levar à prisão. A canção foi tão aclamada e simbólica para o movimento antiditatorial que acabou posteriormente virando um programa de TV com o mesmo nome.

Em uma de suas participações no programa Altas Horas, IZA chegou a falar sobre a importância de artistas passarem alguma mensagem, segundo ela “Esse lugar que eu tô aqui, com o microfone, não é só pra eu fazer aquilo que eu mais gosto de fazer e pagar as minhas contas. Não é! É também pra educar, pra ensinar…”. Veja o trecho:

O passo mais recente da carreira da imperatriz é também uma regravação, desta vez com o Milton Nascimento. A música chamada “Paula e Bebeto” será tema de abertura de Malhação – Toda Forma de Amar”, da Rede Globo, sendo a sexta vez que IZA aparecerá em trilhas sonoras de novelas de TV.

Originalmente lançada em 1974 e com composição do próprio Milton, a música conta a história de um casal e ressoa um refrão com frases como “Qualquer maneira de amor vale à pena, qualquer maneira de amor vale amar…”. Ouça a versão original da música na voz do Milton:

Apesar de ter sido lançada na década de 70, e considerando o cenário retrógrado que estamos vivendo hoje, a música volta a ser muito atual e a união do Milton com a IZA pode ser surpreendente para exemplificar isso.

Muita coisa ainda está por vir e 2019 promete ainda muitos lançamentos para nossa rainha e continuaremos aqui colados com vocês enquanto isso.


Comentários
"